A Mídia: “Papa Francisco diz que inferno não existe” | OU | O Vaticano: “Nenhuma áspas do artigo deve ser considerada uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre”

A Mídia: “Papa Francisco diz que inferno não existe”

“Afirmação foi feita em encontro com Eugenio Scalfari, 93, um dos fundadores do jornal ‘La Repubblica’. Vaticano diz que conversa ocorreu durante encontro privado e ‘nenhuma aspa’ do artigo deve ser considerada como transcrição fiel.”

Fonte:
https://g1.globo.com/mundo/noticia/papa-francisco-afirma-que-inferno-nao-existe-diz-jornal-italiano.ghtml

O Vaticano: “Nenhuma áspas do artigo deve ser considerada uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre”

Texto da Nota Oficial do Vaticano, Grifo Nosso:

O Santo Padre Francisco recebeu recentemente o fundador do jornal La Repubblica em uma reunião privada por ocasião da Páscoa, sem lhe dar nenhuma entrevista. O que é relatado pelo autor no artigo de hoje é o resultado de sua reconstrução, em que as palavras textuais pronunciadas pelo Papa não são citadas, portanto, nenhuma citação do artigo mencionado deve ser considerada como uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre.

Texto Original, Grifo Nosso

Il Santo Padre Francesco ha ricevuto recentemente il fondatore del quotidiano La Repubblica in un incontro privato in occasione della Pasqua, senza però rilasciargli alcuna intervista. Quanto riferito dall’autore nell’articolo odierno è frutto della sua ricostruzione, in cui non vengono citate le parole testuali pronunciate dal Papa. Nessun virgolettato del succitato articolo deve essere considerato quindi come una fedele trascrizione delle parole del Santo Padre.

Fonte:
http://press.vatican.va/content/salastampa/it/bollettino/pubblico/2018/03/29/0236/00512.html

 

Como essa notícia foi distorcida

Eugênio Scalfari, o mesmo jornalista que entrevistou o Papa Francisco e forçou uma comparação entre os cristãos e os comunistas, causando a falsa notícia “Papa diz que os comunistas pensam como cristãos” protagoniza mais uma de suas presepadas. Uma “conversa” que se transforma numa “entrevista” sem anotações, sem gravações e sem evidências onde supostamente o Santo Padre afirma algo que nem o mais leigo dos teólogos católicos sustentaria (que ao morrer as “almas dos maus” desaparecem).

A própria situação já refuta-se a si mesma. A nota da Sala de Imprensa do Vaticano é mais que suficiente para explicar o que ocorreu.